Início » O Político » Presidente » Políticas do Governo » Ferrovia Norte-Sul

Ferrovia Norte-Sul

Uma das propostas para o setor de infraestrutura de José Sarney quando ocupou a Presidência da República foi a de ampliar a escassa malha ferroviária brasileira. Ao lançar o projeto da Ferrovia Norte-Sul, o presidente Sarney pretendia maior integração nacional, diminuindo custos, e interligando as regiões Norte e Nordeste ao Sul e Sudeste do país. O objetivo era alcançar cinco mil quilômetros com conexões, a fim de facilitar o escoamento da produção agropecuária e agro-industrial. Seria possível, dessa forma, reduzir os graves desequilíbrios econômicos regionais, com melhoria da qualidade de vida da população.

Infelizmente de 1987 a 1989, foram construídos 115 km, ligando as cidades de Açailândia e Imperatriz, no Maranhão. Nos governos Collor, Itamar e Fernando Henrique, foram construídos mais 100 km.

No Governo Lula, o projeto de Sarney foi retomado com a previsão inicial de construção de 1 mil 550 quilômetros de trilhos, cortando os estados do Maranhão, Tocantins e Goiás. No entanto, em maio de 2008, uma medida provisória do Executivo ampliou o traçado para 3.500 km, incorporando os trechos Açailândia (MA) a Belém (PA) e Anápolis (GO) a Panorama(SP).

Em abril de 2010, na inauguração de um trecho da Ferrovia, no Estado do Tocantins, o presidente Lula homenageou José Sarney e afirmou: “Quando o Sarney anunciou a Norte-Sul, incrédulos como somos, ao invés de procurar conversar para saber como era, fizemos coro contra. Eu nem conhecia o projeto e já era contra. Eu era deputado constituinte e, durante muito tempo, fiz críticas dizendo que ia ligar o nada ao nada”.

ferrovia Norte-Sul

José Sarney, Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Roussef na inauguração de trecho da ferrovia Norte-Sul – Colinas (TO) – Dezembro/2008 (Foto: Ricardo Stuckert)

Na oportunidade José Sarney, emocionado com o reconhecimento de Lula pelos seus esforços na expansão da malha ferroviária do país, ressaltou o longo período de isolamento da região, hoje cortada pela Norte-Sul. “Na solidão onde não passava nada, hoje passam os trilhos. Assisti a história como protagonista e como expectador, mas nunca vi um presidente como Lula da Silva. Agradeço a sorte de terminar os anos que me restam na política ao lado de Lula, que transforma o Brasil”, disse emocionado.

 

Leia também: