Início » O Político » Deputado Federal » Segundo Mandato 1959-1963

Segundo Mandato 1959-1963

Desde 1956 na UDN, José Sarney chefiou, como presidente do diretório regional, a campanha de 1958. Optou-se, mais uma vez, por uma política de coligações. A oposição coligada conseguiu eleger 4 dos 10 deputados federais, entre eles Sarney, o mais votado na chapa da oposição.

Assumiu o mandato para a 41ª legislatura em fevereiro de 1959.

José Sarney continuou na vice-liderança quando Afonso Arinos, eleito senador, foi substituído por Carlos Lacerda, que pautava o discurso da oposição a Juscelino Kubitschek. A figura de Carlos Lacerda, extraordinário orador, liderança inconteste, cada vez mais se marcava pela exacerbação de um discurso militarista e anti-comunista, que, em vez de unir, dividia o partido.

Embora desde 1955 Otávio Mangabeira tivesse retirado os socialistas da UDN, havia ainda uma forte presença de políticos da esquerda democrática, com a bandeira de desenvolvimento com justiça social. Em 1958, José Sarney, Clóvis Ferro Costa, Seixas Dória e outros constituíram um grupo de renovação, a “Bossa Nova”, que lançou um polêmico manifesto pedindo a revisão política do partido. Sarney teve a ajuda de Castelinho para redigir o texto final do Manifesto da Bossa Nova.

“Castello fez algumas alterações, refundiu parte do texto. Enviamos a versão final do Manifesto ao Magalhães Pinto, presidente do partido. Depois de examiná-lo, Magalhães pediu a Castello para redigir uma resposta.” (Folha de São Paulo, 4 de junho de 1993, artigo “O repórter que era Papa”)

Em 1959, em Curitiba, representando o grupo “Bossa Nova”, Sarney foi eleito vice-presidente da UDN e mudou-se para Brasília.

Uma experiência importante foi a de observador parlamentar, em 1961, à XV Assembleia Geral da ONU. Em Nova York, encontrou e formou grande amizade com o escrito Gilberto Amado, Juiz da Corte Internacional e figura eminente da comunidade internacional. Estabeleceu relações com políticos de outros países e tomou conhecimento dos grandes problemas cujo debate dominaria as próximas décadas, como a ecologia, a sociedade de informação, etc.

José Sarney foi vice-líder do governo do presidente Jânio Quadros. Passou para a oposição, com a renúncia de Jânio em 25 de agosto de 1961. Em 7 de setembro de 1961, João Goulart assumiu a presidência do país sob regime parlamentarista, tendo como primeiro-ministro Tancredo Neves. O arranjo foi feito para conter as insatisfações entre os militares. Embora defensor do regime parlamentarista, Sarney foi contra a mudança, feita dentro de uma conjuntura política que considerava ilegítima.


jose sarney alemanha

Deputado José Sarney viaja para a Alemanha Oriental. Foto: Arquivo Pessoal.


Aos 29 anos Sarney se torna Vice-lider da UDN

Na Câmara dos Deputados, por indicação de Afonso Arinos, o deputado José Sarney, foi eleito vice-líder da UDN. Tinha 29 anos e chamava a atenção dos colegas parlamentares pela capacidade de articulação.

“Eles achavam que eu falava bem, por aí entrei na política. Em política a gente vai se envolvendo e não tem como sair”, conta Sarney.

 

Leia também: