Início » O Político » Deputado Federal » Primeiro Mandato 1955-1958

Primeiro Mandato 1955-1958

Presidente de entidades estudantis no Maranhão, redator e editorialista, José Sarney ganhou visibilidade, principalmente, entre os jovens e logo despertou a atenção dos partidos políticos da época. Em 1954, ano conturbado, devido ao suicídio de Getúlio Vargas, Sarney se candidatou a deputado federal pelo Partido Social Democrático (PSD). Acabou se elegendo suplente.

Em 1955, aos 25 anos, Sarney viajou para o Rio de Janeiro para tomar posse como deputado federal. Café Filho ocupava a Presidência da República.

Para o deputado estreante, o Palácio Tiradentes representava o centro do mundo. Era ainda o parlamento do princípio do século, do discurso, da paixão, do talento e do duelo verbal. Sarney encontrou ali homens que eram alvo de sua admiração: Gustavo Capanema, Lúcio Bittencourt, Tristão da Cunha, Vieira de Melo, Artur Bernardes, Menotti del Picchia, Mário Palmério, Luís Viana Filho e outros mais.

Sarney logo passa para a UDN, que tinha, então, uma das mais brilhantes bancadas que já passou pelo Congresso Nacional, liderada pelo que se chamou a “Banda de Música”: Aliomar Baleeiro, Adauto Lúcio Cardoso, Bilac Pinto, Prado Kelly, Afonso Arinos, Milton Campos, Pedro Aleixo… Afonso era o líder natural da bancada. Na reunião, em que se definiram as lideranças para a sessão de 1957, indicou, com a aprovação da maioria, um elemento de renovação, José Sarney para uma das vice-lideranças.

A estreia de Sarney como orador aconteceu em 16 de junho de 1955.

Em outubro de 1955, Juscelino Kubitschek elegeu-se presidente do Brasil pelo PSD. Violentamente contestado por Lacerda, Juscelino conseguiu se estabilizar, superando a agitação militar que se seguiu à sua posse. A proposta de desenvolvimento, centrada na industrialização e na construção de Brasília, embora contaminada por diversos vícios do crescimento acelerado, trouxe um período de progresso raro na história do Brasil.

Embora suplente, nos três anos que restavam da legislatura, Sarney ganhou prestígio nacional. Sem ter sido vereador, prefeito, deputado estadual, estágios que garantem bases municipais, José Sarney mostrou aos políticos do Maranhão que poderia romper os obstáculos com que as oligarquias locais os mantinham isolados. Representando os mais jovens da bancada, passou a ser citado nos jornais e receber missões para acompanhar e discutir projetos nas comissões – e apartear discursos dos adversários. Raramente, em tão pouco tempo, um deputado federal conseguiu firmar posição de tanto prestígio nacional.

 

Leia também: