Início » O Escritor » Poesia » Saudades Mortas

Saudades Mortas

Saudades mortas, publicado em 2002, é o terceiro livro de poesias de José Sarney, antecedido por A Canção Inicial, 1954, e Os Maribondos de Fogo, 1979.

Os passos lentos da falecida Tia Zica no quarto assombrado por mil cavalos de vento. O caixão do avô de fraque, colete e botina, preparado para uma festa de cinzas aonde se chega e de onde não se volta. A amarga madrugada do recordar brilha e aparece entre tipos datilográficos e aranhas, e o teclado de santa alucinação produz linhas comoventes, cortantes, singelas.

A flor da memória desabrocha nos cenários remotos da infância no Maranhão, no anseio do adolescente, nos parentes que hoje são um retrato na moldura redonda e polida, na descoberta do amor. A nostalgia, porém, não é mórbida. Ainda que a raiz de ‘saudade’, essa preciosa palavra da língua portuguesa, esteja no latim solitate (solidão), José Sarney trata, antes, de evocá-la sempre com os olhos para o futuro:

                       Passa a borrasca,

                       a torpe travessia

                       esvai-se na onda dissipada.

                       Renasce a luz,

                       e de novo esperamos viver. 

Em seu alto vôo lírico, os poemas deste livro encarnam à perfeição a epígrafe buscada no primeiro dos Quatro quartetos de T.S. Eliot: ‘O tempo presente e o tempo futuro/ Estão ambos talvez presentes no tempo futuro/ E o tempo futuro contido no tempo passado”, na brilhante tradução do poeta Ivan Junqueira. 

                                               (…)

                                               O que viveu vive

                                               e está morto

                                               e foge dos meus olhos

                                               e de minhas mãos.

                                               As candeias de azeite

                                               não iluminam mais

                                               porque o escuro clareia.

                                               A luz não existe mais.

                                               Toda memória está cega

                                               na saudade morta.

                                               Eu mesmo não estou em mim,

                                              liberto para sempre da felicidade.

 

Capa do livro Saudades Mortas

Capa do Livro Saudades Mortas

 

 

Leia também: