Início » Blog » O Papa Francisco, por José Sarney

O Papa Francisco, por José Sarney

Anuncia-se como uma surpresa a escolha do Cardeal Bergoglio como Papa Francisco. Na realidade, esta surpresa pertence a nossa sociedade de comunicação, não à da Igreja, que segue a lógica de Deus. E o Espírito sobrenatural da Igreja pode às vezes contradizer as análises do mundo da informação, como fez quando chamou Karol Wojtila em 1978 para um longo pontificado. Essas surpresas são uma afirmação de que a escolha do Papa não é mediática nem mundana.

Com o Papa Francisco finalmente o comando da Igreja chega ao tempo dos descobrimentos, vem à América e ao terceiro mundo e passa a ser verdadeiramente universal.

Os dois grandes santos Francisco, o de Assis e o Xavier, têm caminhos que marcaram a Igreja. Um, italiano, foi o exemplo da fidelidade ao amor de Cristo, estendido em seus limites mais difíceis, e também o exemplo da humildade e da pobreza. Sua inserção no mundo é o contrário das ideias neoliberais e do acúmulo de bens que caracteriza nosso tempo.

O outro, de Navarra, São Francisco Xavier, com Inácio de Loyola um dos 7 fundadores da Companhia de Jesus, enviado para o Padroado Português, é o modelo da evangelização universal. Em dezembro passado completaram-se os 450 anos de sua morte, ocorrida quando tentava começar a conversão da China, depois de anos de trabalho na Índia e no Japão. O padre Vieira narra na sua série de sermões Xavier Dormindo e Xavier Acordado como em sua última viagem a nau do santo ficou parada em alto mar por muitos dias, e acabou a água doce. Então o Padre ordenou que todos bebessem da água do mar e a água salgada que eles beberam se transformara em água pura.

São Francisco Xavier foi seguido pelos jesuítas que foram tão importantes nos primeiros tempos de nosso País – Nóbrega, Anchieta, Vieira –, e pelos que criaram as missões jesuíticas na região entre Brasil, Paraguai e Argentina.

O novo Papa certamente sabe porque escolheu o nome que marcará o seu pontificado e ele certamente indica na direção destes dois grandes santos e da mão estendida da Igreja aos pobres do mundo.

 

Leia também: