Início » Artigos » O mistério da ressureição

O mistério da ressureição

O Maranhão sempre foi um Estado em que o cristianismo teve uma profunda influência. Desde sua fundação, quando aqui chegaram os franceses, a expedição tinha como um dos seus objetivos converter os índios à fé católica. Nisto não se diferenciava do que se fazia no resto do Brasil, já que os portugueses traziam em suas caravelas, nas velas pandas, a grande cruz de Cristo.

O Papa João Paulo II, quando nos visitou, teve oportunidade de dizer em sua homília que do Maranhão partiram as missões para evangelização da Amazônia. E citou as Ordens que participaram dessa catequese. A primeira delas, a dos franciscanos que vieram com La Ravardière, originários do Convento do Faubourg Saint Honoré, de Paris.

Os jesuítas sempre contestaram essa primazia, pois diziam que tinham chegado em 1607 com os padres Luiz Figueira e Francisco Pinto, este morto na Serra de Ibiapaba pelos índios. Já era a rivalidade entre franciscanos e jesuítas, que chegou até hoje e, agora, para tentar uni-las, o Papa jesuíta Cardeal Bergoglio adotou o nome de Francisco.

Essas tradições católicas permearam toda a história de nosso Estado. Até os cultos africanos vindos com os escravos, pelo sincretismo religioso, passaram a fazer de Oxóssi o Senhor do Bonfim, de Santa Bárbara, Iemanjá, de São Cosme e São Damião, os Ibeji, e todos os santos se confundiram com deuses africanos e, assim, os negros driblaram a perseguição da Igreja.

Eram célebres e até minha juventude eu encontrei o esplendor das grandes festas religiosas, como as de Santo Antônio e dos Remédios, que duravam nove dias e terminavam na apoteose das procissões povoadas de crianças vestidas de anjo, organizadas em alas, de um lado os homens e do outro as mulheres. O andor era cercado das autoridades e seguido pelas Irmandades com seus estandartes e batas brancas e cajados, os irmãos, em seus trajes, identificados com fitas nos pescoços.

Eram ali que as mulheres reprimidas aproveitavam para trocar olhares de namoro e os freiráticos (homens vidrados em freiras), tão bem documentados na Bahia pela escritora Ana Miranda, tentavam as freiras pudicas com técnicas de sedução.

Hoje, tudo desapareceu. Avançam o ateísmo e o agnosticismo. Mas não desapareceu a Semana da Paixão da minha infância, e permanecem eternos os sagrados valores da vida de Cristo. O simbolismo de sua paixão, a sua presença na Terra, para não ficarmos sós, sem a certeza do seu amparo.

O Domingo da Ressurreição nos traz um mistério. Mas, sem ela, como dizia São Paulo, “não há cristianismo”. “Se Jesus não ressuscitou é vã a nossa fé.” É a ressurreição que nos distingue de qualquer religião.

É assim que, hoje, volto a minha infância para cantar, como o fazia no coro da Sé, este dogma que é o centro de nossa fé. Não me peçam argumentar com a razão. Esta é uma questão de fé. Acredita-se ou não.

Repito uma vez mais São Paulo: “Sem ressurreição não há cristianismo.”

 

Leia também: