Início » Artigos » Mundo, Vasto Mundo

Mundo, Vasto Mundo

Nova Iorque. Estou aqui nos Estados Unidos acompanhando minha esposa, que se submeteu a uma difícil operação no joelho, buscando voltar a andar, ela que há quatro anos está em cadeira de rodas. Mas o nosso interesse político está sempre ligado.

A primeira coisa que constato é a verdade do nosso velho ditado: “Aqui e lá más fadas há”. Eu estou no (EUA), mas também no aqui (Brasil). O que nós chamamos nossas desgraças não são somente nossas, mas de todos.

Aqui (EUA) vemos o que já se processa há muitos anos no mundo ocidental, e não sabemos para o que caminhamos, com uma forte tendência que nos aponta para o fim da democracia representativa. O modelo que exercitamos de representantes do povo, eleitos periodicamente, está agonizante. Em todo lugar os deputados são alvos de profunda desmoralização, acusados de corrupção e de gozo de privilégios, prato diário da imprensa. A internet, através das redes sociais, e a televisão, como formadora da opinião pública, tornaram-se os principais interlocutores da sociedade democrática.

A pergunta que fazem é quem representa o povo: o parlamento, a imprensa ou a mídia como um todo?

Todas as respostas demonstram que estamos não num mundo em transformação, mas num mundo já transformado. Tudo mudou e muda. Sabemos que os parlamentos vivem momentos difíceis e de perplexidades. Mas foi neles que a democracia moderna se consolidou e passou a existir de fato, a partir da notável Magna Carta (1215), imposta ao Rei João Sem Terra, na Inglaterra. Daí em diante chegou-se à instituição do parlamento, depois exportado para o mundo todo, acoplado à fórmula de Montesquieu dos três poderes: legislativo, executivo e judiciário, um fiscalizando o outro, os charmosos checks and balances — fórmula que surge na época da criação da Constituição americana. Mas o que vai substituí-los? Eu, há alguns anos, analisando este fenômeno disse, em discurso no Senado, que as tendências estavam a indicar a democracia direta, isto é, onde cada um governaria pessoalmente. Mas como isso ocorrerá? Será que a tecnologia vai tornar possível que do celular cada cidadão possa tomar decisões de Estado? Até chegarmos lá muita água vai rolar.

Aqui (nos EUA), como no Brasil, o executivo e o legislativo estão em grande desgaste. O presidente Trump é alvo de todas as acusações, que invadem sua família, seu passado de aventureiro econômico, sua predileção por atrizes pornográficas e seus negócios obscuros. TV e jornais se encarregam disso. A Justiça já está chamada à colação, e os procuradores também dela participam. Apenas a Corte Suprema, como é da tradição americana, não fala, não ouve, não opina e mantém sua posição de proteger a Constituição, que aqui é sagrada: tem mais de duzentos anos, e é muito difícil emendá-la.

Para complicar tudo isso, Trump, depois da desastrosa ocupação do Iraque por W. Bush, desencadeou agora outra perspectiva de tensão nuclear, denunciando o acordo do Irã.

Graças a Deus, estamos livres disso desde que Alfonsín e eu acabamos com a disputa pela bomba nuclear entre Brasil e Argentina, prestando à humanidade o grande serviço de desnuclearizar a América do Sul — que eu consolidei propondo e aprovando na ONU a Resolução que considera o Atlântico Sul área livre de armas nucleares.

E, assim, vejo os EUA muito diferentes daquele que visitei pela primeira vez, em 1961, passando três meses nas Nações Unidas, como membro da Comissão de Política Especial da XVI Assembleia Geral, onde anunciei, pela primeira vez naquela Casa, a posição do Brasil condenando o apartheid, a famigerada política da África do Sul de segregação dos negros.

Mas este é um país extraordinário, que não podemos deixar de admirar e louvar, que fez com que surgisse da América a nação dos direitos humanos, da liberdade, da igualdade e dos grandes ideais democráticos.

 

Leia também: