Início » Artigos » Melhores Prefeitos que não foram prefeitos

Melhores Prefeitos que não foram prefeitos

São Luís é uma cidade que tem tido altos e baixos nas mãos dos governos.

Quando eu era menino, Paulo Ramos rompeu sua unidade com o corte da Rua do Egito e a destruição dos quarteirões a oeste do Largo do Carmo para fazer a Avenida Magalhães de Almeida, além de derrubar o Quartel da Praça Deodoro e a Igreja da Conceição.

A partir daí a cidade, com seus 80 mil habitantes, estagnou. Viveu seus próximos 20 anos apertada entre as rias do Bacanga e do Anil, vendo de longe o começo das praias na Ponta da Areia e do Olho d’Água. O porto que tinha era ainda a Rampa Campos Melo, que não era porto, mas um precário embarcadouro de canoas. A energia elétrica da Ullen (dois dos quatro motores ainda usavam lenha) não seria suficiente, hoje, para alimentar um dos nossos shopping centers. O abastecimento d’água era quase inexistente, atendia a um terço da população da cidade, intermitente. Não havia praticamente estradas: a dos versos do João do Vale, “soltando brasa, comendo lenha”, a estrada de ferro São Luís-Teresina, era a única alternativa aos barcos.

Eleito governador, fiz a barragem do Batatan, a adutora do Sacavém e a estação de tratamento d’água. Fiz a ponte do S. Francisco. Do outro lado da ria do Anil havia espaços para onde a cidade pode se abrir e crescer, e surgiu a cidade moderna. Fiz mais duas travessias, a do Caratatiua e a do Bacanga. Desse lado criei o Porto do Itaqui, promessa que vinha do tempo em que Caxias fora governador. É como São Luís hoje abre o Maranhão para o mundo.

Com a concepção de preservar o centro histórico da cidade, pedi o apoio do SPHAN (hoje IPHAN) e trouxemos a primeira missão da Unesco, com Vianna de Lima. Foi sobre seu estudo que Roseana conseguiu que fosse São Luís considerada Patrimônio da Humanidade, título que hoje periga pelo abandono e desleixo dos dois governos, Prefeitura e Estado.

Roseana e eu fomos, sem ser prefeitos, os melhores prefeitos de São Luís. As grandes vias, que protegem seu coração do tráfego avassalador de veículos, foram feitas por Roseana. A Avenida IV Centenário, a Avenida Ferreira Gullar, a Via Expressa. Vários projetos deixamos prontos. Roseana fez as UPAs, que ou desapareceram ou não foram ampliadas; e fez os Viva Gente: Luz, Casa, Primeiro Emprego, tudo abandonado. Valorizou nossa cultura, o boi e o carnaval…

Mas a cidade parou, sem a continuação desses grandes e necessários projetos. Parou no cuidado do Centro Histórico. Parou na atenção às pessoas.

É hora de São Luís voltar a ter quem se preocupe com ela, mesmo que seja no Palácio dos Leões. E, se não se mexem, teremos o título de única cidade do mundo que deixou de ser Patrimônio da Humanidade.

José Sarney

 

Leia também: