Início » Blog » Com a Internet, cada indivíduo se tornou em um ser coletivo, diz Sarney

Com a Internet, cada indivíduo se tornou em um ser coletivo, diz Sarney

A Internet transformou cada indivíduo em um ser coletivo, com a capacidade de influenciar sem limites, de discutir e inflamar multidões, disse o senador José Sarney (PMDB-AM), em discurso proferido na última sexta-feira no plenário da Casa. “Ele passa a falar em nome de uma coletividade, embora seja um ser individual que está falando”, avaliou Sarney.

Na análise que fez sobre as manifestações ocorridas em todo o país, nas últimas semanas, Sarney disse que a atual crise revela uma grande transformação da sociedade. “Hoje, em novo tempo, que é o tempo da comunicação, seu primeiro agente é um novo interlocutor da sociedade democrática: a opinião pública, mobilizada, atenta, engajada, apaixonada e instantânea”, afirmou. Para o senador José Sarney, a imprensa, especialmente a televisão, acostumada a ser a porta-voz da crise, agora, acompanha a crise, tem a sua pauta pautada pelas redes de comunicação social, sofrendo também forte contestação.

Sarney avaliou que a sociedade contemporânea entrou em uma nova era. “Não só da comunicação na sociedade da Internet, mas também a concepção de rede que sempre tivemos, com a mentalidade, construída ao longo de milênio, de causa e efeito. No caso da Internet, nós não temos a causa, porque não há um centro gerador, cada um que se agrega – é o conceito de rede – vai ampliando a parte da rede”, explicou o senador do Amapá.

Em seu pronunciamento, José Sarney se referiu ao livro O Que a Internet faz com Nossas Mentes, do escritor Nicholas Carr, que avalia como a mentalidade dos indivíduos muda diante fatos importantes. Segundo Sarney, o autor narra um suposto diálogo de Platão com o rei Thot do Egito que indaga o que aconteceria dali em diante com a memória diante a descoberta da escrita. “Depois, com o avanço e a descoberta do livro, houve a capacidade de multiplicar conhecimentos e distribuí-los e, agora, nós estamos também com outra descoberta, a da Internet, cuja linguagem é outra”, reflete Sarney.

 

Leia também: