Início » Artigos » A grandeza americana

A grandeza americana

Nova York — Os Estados Unidos são um país que orgulha a humanidade, sobretudo por dele ter saído a missão mundial de difundir a democracia, os direitos humanos, as liberdades individuais e, na expressão de Jefferson, “a busca da felicidade”.

Passou a ser um esporte mundial, e ainda se mantém muito vivo, o gosto de criticar os Estados Unidos. Eu mesmo, em alguns tempos de minha vida, pratiquei esse esporte. E me arrependo porque, na realidade, com todos os seus defeitos, com todos os seus problemas, nada é mais interessante do que a sociedade americana, em que verificamos a capacidade desse país de harmonizar uma sociedade tão conflituosa, com problemas raciais e religiosos, e agora com a rejeição às imigrações cada vez maiores.

Essa leitura não pode ser prejudicada pela imagem do Trump, que realmente, devemos reconhecer, em nada tem ajudado o seu país. Quanto mais entrarmos na alma e na formação do que gerou o american dream, mais é possível admirar exemplos dessa grande nação, que, não podemos esquecer, é poderosa e mantém uma liderança mundial, certamente com a força dos seus cientistas, intelectuais, escritores, artistas e, sobretudo, com as sólidas instituições que criaram.

Para citar um exemplo, basta lembrar a sacralidade da sua constituição, que veio pregar a todo o mundo a democracia, as liberdades individuais e econômicas, tornando-se orgulho de toda a humanidade. E ela se mantém, tendo a Suprema Corte como sua grande guardiã.

Mas sempre que venho a esse país não deixo de me impressionar com sua outra face: a da ciência, da cultura e da arte. O primeiro passo é fazer o tour dos museus: o Metropolitan — com o sinal dos tempos, Met —, o Museu de Arte Moderna — MOMA —, o Museu de História Natural, o Museu Guggenheim, aqui em Nova York, só para citar os mais notórios, sem falar dos de Washington, Boston, etc., às centenas e aos milhares. O Barnes, em Philadelphia, é um romance: o seu criador encomendou um gigantesco mural a Matisse; houve erro na medida; segunda tentativa, segundo erro; na terceira vez, mandou buscar o Matisse para pintar no local. Mas a arte aqui, numa moda que se espalhou a partir de Chicago para toda parte, está nas ruas, em grandes esculturas dos maiores artistas, americanos ou estrangeiros.

O Brasil está, aliás, integrado a esse cenário, com a grande exposição de Tarsila do Amaral no MOMA, uma dessas raras vezes em que a arte brasileira é reconhecida no exterior. É claro que nas Nações Unidas — de Le Corbusier e Niemeyer — há os grandes painéis, nunca elogiados demais, de Portinari.

Mas além das artes visuais, e da arte cênica, de que preciso fugir para não falar do que o mundo todo conhece e que faz da cultura o primeiro produto de exportação americano, há o universo do escrito. Além dos romancistas, que dominam o mercado mundial do livro, e cuja importância é reconhecida pelos intelectuais europeus, os Estados Unidos têm extraordinários estudiosos. A historiografia americana é uma lição de técnica e estilo. Alguns, como Joseph Ellis, estudam os fundadores, outros, como Arthur Schlesinger, Jr., sua época — no caso Roosevelt e os Kennedy, que ele conheceu bem. Sobre Lincoln se escreve sempre, desde seus secretários, Hay e Nicolay, até Carl Sandburg, o grande poeta, passando por livros como o de Doris Kearns Goodwin, que o retratou usando seus adversários para construir sua equipe.

Os cientistas americanos ou que aqui trabalham, pois eles são mestres em cooptação de inteligência, têm liderado a ciência nos últimos 100 anos. A Nasa levou o homem à Lua, e agora um empreendedor, Elon Musk, está ultrapassando vários países na capacidade de colocar objetos no espaço — mesmo que este seja para o lado de Marte.

Apaixonado pelo livro, não posso deixar de falar da Biblioteca do Congresso, a maior do mundo, não só na guarda do que se faz aqui como da produção cultural de todos os países.

Ao promover no Brasil a ideia da lei de incentivo cultural, a Lei Sarney, estudei o que se fazia mundo afora. Aqui nos Estados Unidos os incentivos fiscais passaram por uma adaptação, deixando de ter somente a atração do ganho, mas a visão de deixar para a comunidade uma presença ou uma esperança, com fundações, museus, prêmios, bolsas. Assim, por exemplo, as bolsas das fundações Ford ou Fulbright, as doações da Rockfeller e da Carnegie, entre tantas outras.

Nesse país de tantos contrastes, nada marca mais o visitante sem preconceito que o amor que existe pelo conhecimento, exemplo de grandeza a ser seguido.

José Sarney

 

Leia também: