Início » Artigos » A tragédia do crack

A tragédia do crack

Por José Sarney.

O problema das drogas é universal. Ninguém ainda explicou por que se implanta esse mundo da auto-destruição. Mundo em que as pessoas se condenam a uma escravidão absoluta do sofrimento com a perda da autoestima e a dilaceração da alma, vivendo uma alucinação em busca da sublimação dos prazeres. Pior ainda, essa epidemia atinge em quase sua totalidade os jovens, meninos e meninas e para maior desgraça, os mais pobres, que sem dinheiro e dependentes do vício, marcham para a marginalidade e o terreno do crime. As estatísticas revelam que 70% dos crimes de homicídio ocorridos no Brasil estão, de uma maneira ou de outra, ligados à droga. Para lamento de todos nós, estes 70% dos que matam e morrem estão na faixa etária entre os 17 e 25 anos. Os jovens estão matando e sendo mortos.

Depois da maconha e da cocaína, agora, de maneira avassaladora, surge o crack, a mais perigosa e nociva das drogas, de custo baixo e alto poder destrutivo, capaz de viciar na primeira vez. O problema tornou-se tão grave e com tanto poder de contágio que já não existe cidade, por menor que seja, em que não haja, não somente uma pessoa viciada, mas se formam comunidades que se reúnem em local público e ali se instalam. São as cracolândias que invadiram o Brasil para desespero das mães indefesas ao verem os filhos sendo destruídos e sem condições de salvá-los.

Muitas opiniões se formam. Uns pedindo repressão, outros a descriminação das drogas, outros mais a denunciar que se trata de um problema de saúde pública. É tudo isso reunido, mas é também um problema de humanidade. Muitos estão se dedicando a esta causa, tentando atender e recuperar dependentes, principalmente entre religiosos de todos os credos e associações anônimas de pessoas de boa vontade e amor ao próximo.

Agora mesmo em São Paulo a grande discussão é a ação da polícia, com a pergunta se ela pode dissolver as cracolândias, alegando o direito de reunião consagrado pela Constituição. Enquanto isso, os traficantes circulam livres, com seu mercado protegido pela polícia.

Na Holanda, onde se liberou a maconha, é permitido fumar em coffeeshops especiais. Abriram-se mais de quinhentos fumadores. Em vez de diminuir o consumo, aumentou e apareceu o baseado-duro que contém, em vez de 4% da substância alucinógena, tem 14% a 15%, o que leva as pessoas à loucura. E a Holanda está revendo sua política de liberação, para um controle mais forte. Essa nova maconha (a dura), desenvolvida por manipulações genéticas, tornou-se tão valiosa que está sendo plantada em edifícios, construídos só para isso, com luz artificial, água, umidade e nutrientes dosados. Tudo para quê? Para destruir a alma e a vida dos viciados.

Este é um desafio do mundo presente e do futuro. É problema de segurança, é problema de saúde pública, mas é também um problema de todos. Que cada um faça sua parte, dentro dos governos e das famílias, para enfrentar esse grande monstro da nossa sociedade: o crack.

 

Leia também: